Rinotraqueíte Felina – o que é?

Classifique o artigo

Como qualquer animal de estimação, o gato requer cuidados adequados. Além da alimentação, da higiene e da atenção de que necessitam, os donos devem estar muito atentos ao seu estado de saúde.

Licença: 
CC Attribution-NonCommercial 2.0

Como qualquer animal de estimação, o gato requer cuidados adequados. Além da alimentação, da higiene e da atenção de que necessitam, os donos devem estar muito atentos ao seu estado de saúde. Por esta razão, é necessário que o gato faça um check-up anual no veterinário e que tenha o plano de vacinação atualizado. Contudo, e por maior que seja a vigilância, há doenças que teimam em afetar os gatos. Uma das doenças mais frequentes nos gatos é a Rinotraqueíte Felina, também conhecida como Herpesvírus Felino.

O que é a Rinotraqueíte Felina?

A Rinotraqueíte Felina é uma doença infecciosa do trato respiratório causada pelo herpesvírus felino tipo 1 (FeHV-1). É uma doença aguda, muito frequente nos gatos, que afeta, principalmente, o trato respiratório superior e surge, por norma, durante o primeiro ano de vida do gatinho. Esta doença pode ser transmitida de forma direta, através do contato com secreções (nasais e oculares) contaminadas, ou de forma indireta, através de espirros e tosse. Pode ainda ser transmitida da mãe doente para os fetos, se bem que, na maioria dos casos, as gatas gestantes com esta doença acabam por abortar. Cerca de 80% dos gatos que adquirem esta doença tornam-se portadores do vírus, mesmo que não voltem a manifestar qualquer sintoma. Contudo, em situações de stress, como troca de ambiente, viagens, partos, ou de outra doença, o vírus pode voltar a replicar-se e a disseminar-se.

Sintomas

Os sintomas desta doença são facilmente identificáveis, sendo os principais os seguintes:

  • Espirros seguidos;
  • Secreção nasal;
  • Dificuldade respiratória;
  • Secreção purulenta nos olhos, ulceração da córnea (quando isto acontece é normal os gatinhos não conseguirem abrir os olhos) e dermatite (inflamação da pele em redor dos olhos);
  • Salivação (devido à presença de lesões/úlceras na boca, língua e lábios que provocam dor);
  • Perda de peso;
  • Febre;
  • Desidratação.

No caso de infecção crônica, quando o vírus é reativado devido a situações de stress, como já foi referido acima, os sintomas são menos e não tão agressivos, uma vez que o organismo do animal já reconhece o vírus e, prontamente, prepara defesas para o combater.

Diagnóstico e tratamento

Sempre que se manifestem os sintomas acima referidos, deverá levar o gato a uma consulta no veterinário. Este, através da sintomatologia, da história clínica e de alguns exames laboratoriais (zaragatoas nasais e oculares) irá confirmar o diagnóstico e prescrever o tratamento adequado.

O tratamento é direcionado para o alívio dos sintomas, através de medicamentos como antivirais, colírios, antibióticos para tratar eventuais infecções secundárias, oxigenoterapia, fluidoterapia (nos casos de desidratação) e aporte nutricional extra. Por norma, e se tudo correr pelo melhor, após 10 a 20 dias a fase aguda da doença fica resolvida e o gatinho recupera o seu estado normal. No entanto, para gatinhos bebês ou para animais já muito debilitados, esta doença pode ser fatal.

Como em qualquer doença, a prevenção assume um papel muito importante. A Rinotraqueíte Felina pode ser prevenida através da vacinação contra o herpesvírus. Além da vacinação, há uma série de medidas preventivas que devem ser tidas em conta quando se tem um gatinho em casa, nomeadamente evitar a aglomeração de animais num mesmo espaço, uma vez que alguns deles podem estar infetados e contaminar os restantes, isolar ninhadas de filhotes, protegendo-os, uma vez que estes são muito mais suscetíveis, assim como desinfetar o ambiente e os utensílios do gato doente para evitar a contaminação de outros gatos.

De referir ainda que esta doença não se trata de uma zoonose, ou seja, não há o risco de os humanos serem contaminados. Desta forma, não há que ter receio se, por acaso, o seu gato desenvolver esta doença pois não o irá contaminar.

Se o diagnóstico da Rinotraqueíte for feito atempadamente e o tratamento dos sintomas for implementado de imediato, em pouco tempo o seu gatinho voltará à sua vida normal.

Classifique o artigo

Publicidade